WHEY – Tudo o que você precisa saber sobre esta proteína

WHEY – Tudo o que você precisa saber sobre esta proteína

A whey (“whey” significa, do inglês, proteína do soro do leite – por isso o gênero feminino, “a” e não “o”) é um suplemento comprovadamente seguro e eficaz que pode ser utilizado como auxiliar na obtenção de toda a proteína necessária na dieta, por ser muito prático, versátil e, via de regra, saboroso.

É importante saber que a utilização de whey não é superior a ingestão de alimentos, pois o mais importante é que se atinja as necessidades diárias de proteína independente das fontes escolhidas. Isto quer dizer que tomar whey não é superior a comer ovos ou lentilha, por exemplo (contanto que o total de nutrientes ingerido ao longo do dia esteja devidamente ajustado).

Existem diferentes tipos de whey, de acordo com a sua forma de extração:

1. Whey concentrada: possui cerca de 80% de proteína em sua composição e uma pequena quantidade de lactose e gorduras, além dos ingredientes necessários para adoçar e melhorar a solubilidade. É a escolha ideal para todos aqueles que não tem problemas com a digestão da lactose, pois sua quantidade ínfima de carboidratos e gorduras não irão prejudicar os seus resultados.

2. Whey isolada: possui uma quantidade maior de proteínas (90%) do que a whey concentrada e muito baixa ou nenhuma quantidade de lactose e gorduras. Pode ser utilizada por pessoas com intolerância à lactose ou que estão dispostas a pagar mais por um produto que oferece poucos benefícios adicionais.

3. Whey hidrolisada: esta forma de whey é pré-digerida e totalmente dispensável para pessoas que possuem o trato gastrointestinal íntegro. Sua utilização se dá, sobretudo, em algumas condições clínicas em que o paciente não é capaz de digerir as proteínas adequadamente.

A whey pode ser consumida em qualquer horário, mostrando-se uma ferramenta especialmente útil para os momentos em que consumir uma refeição sólida não é possível. Já em relação à quantidade que deve ser utilizada, isto vai depender do peso do indivíduo e de sua alimentação como um todo (um bom nutricionista saberá fazer a prescrição adequada), mas, via de regra, entre 20 e 30g por vez serão suficientes.

Não existe problema em misturar whey com outros alimentos e não é necessário tomá-la imediatamente após o treino, a não ser que esta seja a prescrição do seu plano alimentar. É possível, ainda, substituir a whey por uma proteína de origem vegetal (arroz, ervilha ou soja, por exemplo), reduzindo o impacto ambiental e o sofrimento animal. 

Proteína em pó de origem vegetal

Em tempo, cabe mencionar que não existe “whey vegana”, pois a whey é, essencialmente, derivada do leite. A nomenclatura correta é “proteína em pó de origem vegetal” ou “proteína isolada de arroz, de soja, de ervilha, etc.”.

Espero que estas informações possam ter lhe ajudado. Bons treinos e comam seus vegetais!

Um abraço,

Filipe.

Deixe uma resposta