Fibras, gases e inchaço abdominal

Fibras, gases e inchaço abdominal

É muito comum no consultório a queixa de inchaço abdominal e aumento da flatulência ao começar um novo plano alimentar, sobretudo quando este inclui uma maior quantidade de leguminosas e de fibras de maneira geral (encontradas nas verduras e legumes, frutas e cereais integrais).

As fibras dietéticas são componentes vegetais que nosso corpo não possui enzimas para digerir e que, portanto, acabam sofrendo fermentação pelas bactérias da nossa microbiota intestinal, o que gera gases e distensão abdominal, chegando a causar até mesmo dor em alguns casos. Uma vez que nossa microbiota sofre as modificações positivas de uma dieta rica em vegetais, estes sintomas costumam desaparecer. No caso das leguminosas, estas possuem outros componentes não digeríveis que podem ser reduzidos através de uma forma de preparo adequada – veja aqui como preparar as leguminosas adequadamente.

É importante saber que as fibras e as leguminosas são ESSENCIAIS na nossa alimentação e seu consumo está relacionado a normalização dos lipídios sanguíneos (“colesterol alto”), redução dos níveis glicêmicos (açúcar no sangue) e redução do risco de doenças como: AVC, hipertensão (pressão alta), câncer, constipação, hemorroidas e outras. Portanto, é necessário primeiro encontrar a real causa do inchaço abdominal e, depois, ajustar a alimentação para incluir estes alimentos de forma progressiva, se for caso.

Para reduzir a distensão abdominal é recomendado:

  1. Realizar pequenas e frequentes refeições.
  2. Limitar o consumo de alimentos flatulentos, como repolho, brócolis e batata doce.
  3. Reduzir o consumo de bebidas gaseificadas, como refrigerante, água com gás e cerveja.
  4. Reduzir o consumo de alimentos gordurosos e frituras.

Se você não tem o hábito de comer frutas, cereais e feijões, inclua estes alimentos aos poucos na sua rotina, permitindo que a sua microbiota se adapte a esta nova alimentação, a fim de reduzir os possíveis desconfortos. Normalmente, uma semana é tempo suficiente para que o organismo esteja completamente adaptado.

Medicamentos que reduzem a formação de gases, como o Luftal, podem ser utilizados no caso de um episódio dolorido de inchaço abdominal, mas não devem ser consumidos de forma rotineira, pois a causa desta formação excessiva de gases deve ser encontrada e solucionada.

Suplementos probióticos só devem ser utilizados com a devida orientação, pois sua prescrição é complexa e as fórmulas prontas não costumam trazer bons resultados (a não ser pelo efeito placebo), além de custarem caro. A melhor forma de fortalecer a sua microbiota você já sabe: coma mais vegetais!

Ficou com alguma dúvida? Deixe nos comentários ou me mande uma mensagem!

Um abraco,

Filipe.

Deixe uma resposta